Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

“A porta de Madrid está sempre aberta” para Marcelo

Presidente foi recebido pelos reis e já teve uma audiência com Felipe VI no Palácio da Zarzuela. Na câmara de Madrid, Manuela Carmena entregou-lhe a Chave de Ouro da cidade.

Marcelo Rebelo de Sousa diz que desde a primeira visita a Madrid, ainda criança, se sentiu “em casa”. A partir de agora, tem a Chave de Ouro da Cidade, mas já sabia que para ele, como para todos os portugueses, “as portas estarão sempre abertas”.

Entre a chegada, no domingo à noite, e o almoço desta segunda-feira, o Presidente português passou por três palácios. Na recepção oficial com honras militares foi recebido pelos reis no gigantesco Pátio de Armas do Palácio Real, junto à Praça de Espanha, um palácio que hoje funciona essencialmente como museu e serve de cenário a cerimónias especiais.

Houve um abraço entre Marcelo e Felipe VI quando o chefe de Estado português saiu do carro que o levou até perto da tribuna, mas o ritual de grande formalidade ficou marcada por um único momento menos ensaiado, quando Marcelo, Felipe VI e a rainha Letizia acenaram às crianças que agitavam pequenas bandeiras dos dois países junto às arcadas do pátio.

Além do Palácio Pardo, onde está instalado, o Presidente foi recebido no Palácio da Zarzuela, residência oficial dos reis, onde teve uma audiência privada com Felipe VI, antes do almoço com os monarcas. À chegada, o rei levou-o aos jardins, onde trocaram um longo aperto de mão, entre sorrisos de uma cumplicidade tornada possível por muitos encontros (pelo menos dez, como recordara Marcelo à chegada).

Marcelo chegou à Zarzuela, um palácio construído no meio de um bosque por onde correm veados, no mesmo Rolls-Royce preto que o levara ao Palácio Real e até ao encontro com a autarca de Madrid.

Entre uma e outra recepção, passou pelo antigo edifício dos Paços do Concelho, onde uma simpática e informal Manuela Carmena, a antiga juíza eleita presidente da câmara numa lista de independentes, em 2015, lhe entregou a Chave de Ouro da Cidade e acelerou a cerimónia para “ter ainda tempo de falar um bom bocado com o Presidente”.

“Ter-te aqui é uma grande honra, principalmente aqui, neste edifício histórico, por onde passaram tantos autarcas, tantos conselheiros”, afirmou Carmena, na antiga sala de plenários, no edifício na Praça da Vila.

Carmena falou de Portugal e de Espanha como “muito mais do que dois países amigos, países que partilham a mesma geografia, os mesmos rios, cordilheiras”, enumerou. “Além disso temos a sorte de ter dois idiomas que, apesar de diferentes, nos permitem entendermo-nos”.

E antes de entregar a Chave de Ouro a Marcelo, a autarca quis sublinhar que este não é um presidente qualquer. “Sabemos que és um Presidente muito especial, chamam-te Presidente dos afectos. Receber um Presidente como tu deixa-nos especialmente orgulhosos, com a tua personalidade que faz com que o povo de Portugal te queira tanto bem”.

Marcelo agradeceu “a enorme distinção”, sem deixar de dizer que, “em rigor, não era preciso”. “Desde os seis anos de idade, na primeira vez que vim a Madrid, senti-me como um de vocês, como estando em casa”, afirmou.

O Presidente notou que não é o único. “Tantos portugueses se sentem aqui acolhidos, do ensino às artes, da ciência à tecnologia, do comércio à banca, da música à gestão de museus”, afirmou Marcelo, a pensar certamente em João Fernandes, o curador português que é subdirector do Museu Reina Sofia e um dos dois comissários responsáveis pela exposição Pessoa. Toda a arte é uma forma de literatura, que visitará com Felipe VI na terça-feira.

Para Marcelo, é natural que assim aconteça, já que “Madrid é futuro, esperança e desenvolvimento”, uma cidade com passado e presente “mas sobretudo futuro”, onde é fácil sonhar. “É uma cidade de esperança, pujante, inovadora, que aposta nas novas gerações. Uma cidade de abertura ao mundo, de recusa da xenofobia. Uma cidade cujas chaves não fecham portas mas abrem avenidas, não limitam, alargam horizontes.”