Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Pequim confirma que deteve funcionário do consulado britânico em Hong Kong

Simon Chen foi detido ao regressar para a região semiautónoma, de onde é natural. Pequim diz que Chen “violou a lei”.

Protesto em apoio de Cheng WILLY KURNIAWAN/Reuters

As autoridades chinesas confirmaram esta quarta-feira que detiveram Simon Chen, funcionário do consulado britânico em Hong Kong, quando este regressava de Shenzhen, cidade na China continental, para Hong Kong, de onde é natural.

Na véspera tinha surgido a notícia de que Chen tinha deixado de estar comunicável quando se preparava para regressar, a 9 de Agosto. “Pronto para passar a fronteira… reza por mim”, foi a última mensagem que Cheng enviou à namorada, contou ela ao Guardian.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido disse estar “muito preocupado” com a situação de Cheng, 28 anos. As autoridades de Hong Kong tinham dito que estava em “detenção administrativa”, sem indicar local ou motivo.

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Chuang, diz que se Cheng é um cidadão chinês e “esta é uma questão interna da China”. Acrescentou que Cheng está detido por um período de 15 dias por violar regulamentos sobre gestão de segurança pública, sem pormenorizar.

O porta-voz passou a acusar o Reino Unido pelos “comentários e actos” em Hong Kong, onde um protesto dura há semanas, despertado por uma proposta de lei permitindo extradições para a China continental, e que evoluiu para um movimento a exigir mais democracia, no que se tornou um grande desafio a Xi Jinping.

A China tem dito que os protestos estão a ser organizados por estrangeiros.

“Pedimos que deixem de fazer estes comentários irresponsáveis, deixem de se intrometer nos assuntos de Hong Kong e de interferir nas questões internas da China”, disse Cheng.

A detenção de Simon Chen motivou uma manifestação esta quarta-feira perto do consulado britânico, e ainda um sit-in numa estação de metro que foi palco de um ataque violento de pessoas que voltavam de uma manifestação e transeuntes em geral e que se acredita ter sido  levado a cabo por elementos de uma tríade (máfia chinesa).