Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Os cinco terroristas já identificados

Participaram nos atentados de Paris na noite de sexta-feira, 13 de Novembro. Sete terroristas morreram. Um ou dois estão em fuga. Do grupo cinco já foram identificados.

Salah Abdeslam, Samy Amimour e Bilal Hadfi, três dos atacantes já identificados AFP

Ismaïl Omar Mostefai

Morreu na sala de concertos Le Bataclan. Nasceu no dia 21 de Novembro de 1985 em Courcouronnes (no departamento de Essone, na região de Île-de-France). Era conhecido por pequenos delitos, constando do seu cadastro oito condenações entre 2004 e 2010, sem ter cumprido nenhuma pena de prisão. Foi radicalizado numa mesquita de Chartres (Eure-et-Loir, onde vivia actualmente) em 2010 e foi-lhe atribuída uma “ficha S” pelos serviços de segurança franceses. A ficha S designa pessoas potencialmente ameaçadoras para “segurança de Estado” e no caso de Omar relaciona-se com o seu processo de radicalização, apesar de nunca ter sido implicado em actividades terroristas. Terá estado na Síria no Outono de 2013 a combater ao lado dos jihadistas do Estado Islâmico. A mãe de Omar é portuguesa e foi identificada como Lúcia Moreira, 54 anos, natural da Póvoa de Lanhoso. Saiu para França ainda criança, tendo depois casado com um argelino. O casal e os outros cinco irmãos de Omar já foram ouvidos pela polícia.

Samy Amimour

Morreu no Bataclan. Tinha 28 anos, nasceu em Paris e viveu em Drancy (Seine-Saint-Denis). Acusado em 2012 por associação criminosa relacionada com actividades terroristas, estava sujeito a um controlo judiciário (comparência na esquadra local todas as semanas, interdição de porte de arma e proibição de sair do pais) que não respeitava há mais de dois anos. Samy foi para a Síria em 2014, onde o seu pai foi depois para tentar trazê-lo de volta, sem sucesso.

Bilal Hadfi

Bombista suicida que se fez explodir no exterior do Stade de France. Tinha 20 anos, era cidadão francês, mas antes dos atentados vivia na Bélgica, em Neder-over-Heembeek, nos subúrbios de Bruxelas. O seu processo de radicalização terá ocorrido na Primavera de 2014 e depois terá combatido nas fileiras do Estado Islâmico na Síria. Não era conhecido pelas autoridades francesas, mas tinha ficha nos serviços secretos belgas.

Ibrahim Abdeslam

Bombista suicida que morreu no Boulevard Voltaire, junto ao restaurante Comptoir Voltaire. Tinha 31 anos e não provocou qualquer outra vítima mortal, quando detonou o cinto de explosivos. Não era conhecido pelo seu radicalismo e geria há cerca de dois anos um café, Les Béguines, no bairro de Molenbeek, em Bruxelas. O café tinha sido entretanto fechado por suspeitas de tráfico de droga.

Salah Abdeslam

Francês, nascido em Bruxelas, tem 26 anos e está em fuga das autoridades. É irmão de Ibrahim. Terá sido ele a alugar os dois carros que serviram para transportar os terroristas que semearam a morte em Paris na sexta-feira à noite. Foi sujeito a um controlo policial no sábado de manhã, quando já estava perto da fronteira com a Bélgica mas não foi preso pelos gendarmes, porque não estava referenciado.