Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

As capas dos jornais australianos cobertas de negro pela liberdade de imprensa

“Uma demonstração sem precedentes de união entre concorrentes”. Vários meios de comunicação australianos participaram esta segunda-feira numa campanha contra a repressão à liberdade de imprensa.

As capas de vários jornais australianos cobriram-se esta segunda-feira de negro, numa forma de protesto conjunto contra o secretismo do Governo australiano e a repressão à liberdade de imprensa.

“Uma demonstração sem precedentes de união entre concorrentes”: é assim que o jornal australiano The Sydney Morning Herald classifica, numa nota publicada esta segunda-feira no seu site, esta tomada de posição conjunta dos media australianos contra a censura.

À iniciativa, intitulada “O Direito de Saber” (Right to Know, na expressão em inglês), juntaram-se jornais nacionais e regionais, incluindo os jornais The Australian, The Sydney Morning Herald e The Australian Financial Review, que chegaram esta segunda-feira às bancas com uma grande parte das notícias de capa rasuradas e um selo a vermelho com a legenda “secreto”.

Mas esta campanha pela liberdade de imprensa não se cingiu apenas aos jornais. Nas televisões australianas, vários canais divulgaram campanhas publicitárias que apelavam aos telespectadores para reflectirem sobre a seguinte questão: “Quando o Governo esconde a verdade, o que está a encobrir?”.

A iniciativa foi criada depois de a Polícia Federal ter feito rusgas, em Junho deste ano, às instalações do canal público de televisão australiano ABC e à casa de uma jornalista do grupo News Corp Australia, buscas estas que terão sido motivadas pela divulgação de peças jornalísticas que alegadamente comprometiam a imagem do Governo.

A campanha “Right to Know” centra-se em seis exigências “necessárias e urgentes” dos meios de comunicação social, incluindo o direito dos media a contestar mandados de busca, restrições ao secretismo por parte do Governo, uma reforma às leis sobre a liberdade de informação (para reduzir e restringir os atrasos, obstáculos e custos significativos que facilitam que agências governamentais consigam impedir a divulgação de certos conteúdos) e isenções para os jornalistas relativamente às leis de segurança nacional que, segundo críticos citados pela Agence France-Presse (AFP), criaram um conjunto de provisões que facilmente ludibriam e impedem o trabalho dos jornalistas.

Uma cultura de secretismo?

“A cultura do secretismo que proveio destas provisões legais restringe o direito de todos os australianos à informação e vai muito além da intenção original de segurança nacional”, afirmou Paul Murphy, dirigente da organização sindical Media, Entertainment & Arts Alliance, citado pela AFP.

“As rusgas policiais à casa da jornalista Annika Smethurst, do grupo News Corp, e à sede da ABC em Sydney foram ataques directos à liberdade de imprensa na Austrália, mas são apenas a ponta do icebergue”, acrescentou Paul Murphy.

Na sequência destas rusgas, três jornalistas enfrentam possíveis processos criminais: Annika Smethurst por revelar, em Abril de 2018, uma suposta tentativa do Governo de espiar os cidadãos australianos e dois jornalistas da ABC por exporem, em 2017, alegados crimes de guerra cometidos pelas forças especiais australianas no Afeganistão. As peças jornalísticas terão contado com a contribuição de delatores (whistleblowers), que poderão também enfrentar processos judiciais.

Os meios de comunicação exigem ainda uma maior protecção para estes denunciantes do sector público – que enfrentam acusações judiciais por divulgarem informações à imprensa –, assim como uma reforma à legislação sobre a difamação, adaptada à nova era digital. As leis da difamação na Austrália são das mais restritivas e complexas do mundo.

Ao contrário do que acontece, por exemplo, nos Estados Unidos, a Austrália não possui uma Constituição que consagre a liberdade de expressão e de imprensa. Outro exemplo dado pelo The Sydney Morning Herald é a Grã-Bretanha, onde “a legislação dos direitos humanos protege explicitamente a liberdade de expressão”. Por outro lado, os jornalistas australianos criticam o facto de não estarem devidamente protegidos, incluindo em casos de alegada difamação.

Ninguém acima da lei

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, garantiu que o seu Governo “acreditará sempre na liberdade de imprensa”, mas sublinhou que os jornalistas não estão acima da lei. “O Estado de direito tem de ser aplicado de forma igual e justa na protecção das nossas liberdades mais amplas e, portanto, eu penso que ninguém está, espero, à procura de um livre-trânsito para qualquer uma dessas coisas”, acrescentou Scott Morrison, em declarações aos jornalistas durante uma visita oficial a Jacarta.

Michael Miller, presidente executivo do grupo News Corp Australia, recorreu ao Twitter para divulgar uma imagem das edições censuradas desta segunda-feira dos jornais The Australian e The Daily Telegraph, referindo que um “público informado” é o principal guardião das liberdades dos cidadãos australianos. “Devemos questionar por que razão os Governos ‘não apenas querem desviar os nossos olhos das suas acções e inacções, como também não querem que saibamos o que estão a fazer’”, acrescentou.

Também o grupo Nine Entertainment Co., proprietário de jornais como The Australian Financial Review e The Sydney Morning Herald, se juntou à iniciativa. Já o director-geral da ABC, David Anderson, acredita, citado pela estação britânica BBC, que “a Austrália corre o risco de se tornar a democracia mais sigilosa do mundo”.

Os meios de comunicação aderentes à iniciativa sublinham que as leis de segurança nacional cada vez mais duras, aprovadas ao longo das últimas duas décadas, têm comprometido o jornalismo de investigação e minado o direito à informação do público. Desde que a nova legislação contra a espionagem foi introduzida no ano passado, os media têm vindo a pedir para que sejam implementadas excepções no que diz respeito à divulgação de informação confidencial por parte de jornalistas e denunciantes.

Segundo o The Sydney Morning Herald, os resultados de um inquérito sobre o impacto das leis de segurança nacional na liberdade de imprensa no país deverão ser apresentados ao Parlamento australiano no próximo ano.

Ponto a competitividade de lado, como explica o jornal australiano, os media unem agora forças em prol de um maior escrutínio, transparência e liberdade de imprensa e expressão, de forma “a proteger o interesse público”.