Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Maduro ordena abertura de processo contra líder da oposição

Henrique Capriles acusa as autoridades venezuelanas pela morte de uma mulher, que se encontrava nas proximidades da manifestação de quarta-feira.

O Presidente venezuelano ordenou, na quinta-feira, a abertura de um processo judicial contra um opositor e ex-candidato presidencial por "acusar o Governo e exército" do homicídio de uma jovem no estado de Táchira.

Na quarta-feira, Paola Andreína Ramírez Gómez foi morta a tiro no estado de Táchira, no sudoeste do país, nas proximidades do local onde decorria uma manifestação contra o Governo de Nicolás Maduro.

O líder da oposição e ex-candidato à presidência Henrique Capriles responsabilizou as autoridades pela morte da mulher, de 23 anos, e os chamados "colectivos" (civis armados apoiantes do regime).

"Autorizei que se faça uma queixa pela honra da gente acusada e que este senhor [Capriles] se tiver que ir para a cadeia, que vá para a cadeia e pague pela difamação e injúria, e todos os delitos que tem cometido. Sabem que não tenho medo nem deles nem de ninguém", declarou Maduro, numa intervenção transmitida pela televisão estatal.

O Governo atribuiu a responsabilidade da morte da jovem ao partido opositor Vente Venezuela (Vem Venezuela). A oposição "enche as pessoas de ódio, manda matar e depois desembaraçadamente acusa gente honrada" do exército, do Governo e o Presidente por este "triste assassínio", declarou Maduro. "Vou apresentar uma queixa e que se demonstre a verdade. É o meu livre exercício do direito à defesa num Estado de direito", disse.

O ministro do Interior, Justiça e Paz venezuelano, Néstor Reverol, diz que o militante do partido de direita Vente Venezuela, Iván Alexis Pernía Dávila, foi detido pelo homicídio da jovem Paola Ramírez Gómez, ocorrido na quarta-feira, no estado de Táchira.

Em conferência de imprensa, Reverol sustentou que o homicídio "foi deliberadamente planificado" e depois a cena do crime foi adulterada, alegadamente pelo suspeito, que estava na posse, durante a detenção, de 442 cartuchos de armas e uma pistola. A mãe da vítima, Delcy Gómez, disse aos jornalistas não acreditar na culpa da pessoa detida. "Ela disse-me, por telefone, que os colectivos estavam a disparar", frisou.

Vídeos divulgados nas redes sociais dão conta do momento em que passam vários motorizadas e a jovem cai no chão.

Os protestos contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro intensificaram-se nas últimas três semanas, na sequência de duas sentenças do Supremo Tribunal venezuelano, que atribui poderes especiais ao chefe de Estado, limita a imunidade parlamentar e assume as funções do parlamento.

Nas últimas três semanas, pelo menos nove pessoas foram mortas, dezenas ficaram feridas e centenas foram detidas pelas autoridades venezuelanas, durante os protestos violentamente reprimidos pela Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) e pela Polícia Nacional Bolivariana.