Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Jihad Islâmica anuncia trégua nos combates com Israel

Porta-voz do grupo diz que o cessar-fogo está a ser verificado pelo Egipto. Combates das últimas 48 horas fizeram pelo menos 32 mortos, todos do lado palestiniano.

Os rockets palestinianos foram lançados em resposta a um ataque israelita Reuters/Suhaib Salem

A Jihad Islâmica Palestiniana anunciou uma interrupção nos seus ataques contra o Sul de Israel depois de o Governo israelita ter aceitado uma proposta de mediação do Egipto.

A trégua entrou em vigor às 3h30 da madrugada desta quinta-feira, disse o porta-voz do grupo palestiniano, Musab Al-Braim. E marca o primeiro momento de paz nas últimas 48 horas, desde que um ataque de Israel na Faixa de Gaza matou um dos comandantes da Jihad Islâmica, Baha Abu al-Ata.

Pelo menos 32 palestinianos, entre os quais três civis, foram mortos desde terça-feira, e centenas de rockets foram disparados da Faixa de Gaza para o Sul de Israel. O Hamas, que é a facção dominante em Gaza, não se envolveu nos combates.

Em declarações à Reuters, um representante do Governo egípcio confirmou que foi alcançado um acordo, mas o Governo israelita ainda não confirmou essa informação. Na quarta-feira, os responsáveis de Israel disseram apenas que aceitariam uma trégua se a Jihad Islâmica pusesse fim aos combates.

O porta-voz do grupo palestiniano disse que Israel aceitou a exigência da Jihad Islâmica para que que o Exército israelita ponha fim ao assassínio selectivo dos seus líderes e ao uso de armas letais para dispersar os protestos semanais na fronteira de Gaza.

“O cessar-fogo começou sob mediação egípcia depois de a Ocupação [Israel] se ter submetido às condições da Jihad Islâmica em nome das facções da resistência palestiniana”, disse Braim à agência Reuters.