Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Estados Unidos emitem mandado de captura contra petroleiro iraniano

O tribunal de Gibraltar tinha anunciado que o navio tinha sido autorizado a partir, mas os Estados Unidos pediram o prolongamento da retenção do petroleiro.

O petroleiro "Grace 1" ancorado em Gibraltar JON NAZCA/Reuters

Os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira que emitiram um mandado de captura do petroleiro iraniano arrestado em Gibraltar, um dia depois de o território britânico ter autorizado o navio a deixar as suas águas territoriais.

O Departamento de Justiça dos EUA acusou, em comunicado, o navio iraniano Grace 1 de servir de veículo tráfico ilegal para a Síria, num plano orquestrado pelos Guardas da Revolução iranianos, considerados pelos Estados Unidos uma organização terrorista. “O esquema”, disse Jessie Liu, advogada do distrito de Columbia (Washington D.C.), envolve vários parceiros relacionados com os Guardas da Revolução, e apoia-se nas viagens a pretextos falsos do Grace 1. Há uma rede de empresas de fachada lava milhões de dólares para apoiar estas entregas”.

Segundo a advogada norte-americana, a bordo do navio foi encontrado equipamento electrónico, e nos telemóveis da tripulação havia mensagens de WhatsApp que revelaram que o Grace 1 se destinava a Banias, um porto na Síria, “em violação das sanções norte-americanas” e europeias contra o regime sírio. Declarações de membros da tripulação confirmaram igualmente esta versão, diz o documento do Departamento de Justiça dos EUA.

Além da apreensão do cargueiro, as autoridades norte-americanas solicitaram o confisco de todo o petróleo transportado no petroleiro iraniano (cerca de 2,1 milhões de barris).

Gibraltar, um território sob administração britânica, estava a negociar com a Teerão a troca do Grace 1 com um outro petroleiro, de bandeira britânica, apreendido no Golfo Pérsico. Mas, na quinta-feira, pouco antes de ser anunciado por Gibraltar que o navio tinha sido autorizado a partir, os Estados Unidos pediram o prolongamento da retenção do petroleiro. O chefe do governo de Gibraltar, Fabian Picardo, acabou por ir em frente e autorizar o Grace 1 a partir, dizendo ter recebido “garantias escritas de Teerão” de que o petroleiro não iria para Síria, mas não confirmou que se iria realizar a troca.

No entanto, o porta-voz da diplomacia iraniana, Abbas Moussavi, afirmou que o seu país não tinha feito tal promessa.

Os EUA persistem em não deixar o petroleiro iraniano a sair de Gibraltar.

A apreensão a 4 de Julho do petroleiro Grace 1 pelas autoridades de Gibraltar e a Marinha britânica provocou uma crise diplomática entre Teerão e Londres, assim como represálias da República Islâmica que apresou três petroleiros, um deles com pavilhão britânico.