Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

“Brexit”: Liberais são a escolha para quem quer ficar na UE

Trabalhistas preocupados em ficar atrás do “ressuscitado” Lib Dem, que pode ganhar em Londres e tirar-lhes o segundo lugar. O conservador Michael Heseltine também vai votar nos liberais.

Posição dúbia de Jeremy Corbyn em relação ao "Brexit" poderá custar caro aos trabalhistas TOBY MELVILLE/Reuters

A posição dúbia de Jeremy Corbyn em relação à União Europeia (UE) parece estar a empurrar parte dos apoiantes do Partido Trabalhista em direcção aos Liberais Democratas (Lib Dem), agora liderados por Vince Cable. De acordo com as sondagens, o Lib Dem é agora o favorito entre os britânicos favoráveis à permanência do Reino Unido na UE.

Segundo o Observer, o gabinete sombra do Labour está preocupado com a ajuda que o seu partido está a dar a este ressurgimento dos liberais – desde o desastre na eleição de 2015, em que a sua participação na coligação governamental com os conservadores lhe trouxe o dissabor de ver a sua bancada parlamentar passar de 57 para oito deputados, o partido nunca mais recuperou.

“Parece que estamos a dar [ao Lib Dem] o equivalente político a uma ressuscitação”, referiu o ministro das Finanças na sombra Clive Lewis. “Se a consequência da posição do Labour em relação ao ‘Brexit’ é, na sua essência, desintoxicar os Lib Dems, então estamos perante um verdadeiro problema”, acrescentou, citado pelo Observer.

A sondagem sobre as eleições europeias no Reino Unido dá conta que os Liberais Democratas superaram o Partido Trabalhista entre os eleitores que preferem a permanência do país como Estado-membro da UE, com 29% para a formação de Cable e 28% para a de Corbyn.

Numa outra sondagem, feita pela YouGov/Datapraxis para a campanha Best for Britain e a Hope Not Hate, traz resultados ainda mais desanimadores para os trabalhistas, que não só vêm o Lib Dem a liderar as intenções de voto em Londres e a ameaçar o segundo lugar nacional do Labour.

Enquanto o Partido do Brexit, de Nile Farrage, continua a liderar destacado com 34% das intenções de voto, o Lib Dem surge a seguir com 17%, superando os 15% do Labour. Os Verdes, com 11%, e o Partido Conservador, com 9%, completam o panorama.

“Há algum tempo que venho alertando que os Lib Dems não estão mortos e que poderiam voltar, mas tenho sido ignorado”, disse um ministro do Governo conservador. “Se sobrepusermos o mapa das eleições locais com o das eleições gerais, há lugares com grandes maiorias de 10 mil votos que podem desaparecer”, acrescentou.

Também os conservadores que pretendem continuar na UE se estão a virar para os liberais nestas eleições europeias, como uma das grandes referências dos Tories e antigo vice-primeiro-ministro Michael Heseltine: “Não posso, em consciência, votar no meu partido quando está focado de forma míope em forçar o maior acto económico de autoflagelamento alguma vez realizado por um governo democrático.”