Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Ala estudantil trabalhista promete lutar pela sobrevivência contra a liderança de Corbyn

A direcção do Partido Trabalhista quer acabar com os Labour Students e a decisão está a ser entendida como uma tentativa de refrear a capacidade da ala moderada do partido.

A organização estudantil é acusada de ser rampa de lançamento de carreiristas nas fileiras do Partido Trabalhista Reuters/PETER NICHOLLS

A liderança do Partido Trabalhista decidiu pôr fim à sua organização estudantil, com cerca de 40 anos, mas esta prometeu lutar pela sobrevivência, em mais um episódio do conflito interno que se arrasta há anos entre as diferentes facções do partido britânico. A decisão do Comité Executivo do Labour está a ser vista como uma táctica de Jeremy Corbyn para enfraquecer a ala moderada e consolidar a influência da esquerda, numa altura em que ganha força o cenário de eleições legislativas.

“Vamos continuar a agir como a legítima ala estudantil filiada no Partido Trabalhista”, escreveu Rania Ramli, líder do Labour Students, numa carta citada pelo Guardian. “Procurámos aconselhamento jurídico e fomos informados de que não existe justificação para quaisquer mudanças no estatuto dos Labour Students”, acrescentou, rejeitando o argumento do Comité Executivo que argumenta que a organização não pagou as quotas de filiação. Ramli garante que o pagamento foi feito em Julho deste ano.

Em tom de desafio, os estudantes garantem que vão levar cerca de 800 membros ao congresso do partido, que começa este sábado, em Brighton. Os seus dirigentes alertam a liderança de Corbyn de que, sem os Labour Students, o partido não terá capacidade de recrutamento, mobilização e intervenção nas universidades, arriscando-se a perder um segmento importante do eleitorado nas próximas eleições.

Através de uma moção promovida por Jon Lansman, fundador do Momentum, movimento aliado de Corbyn, e membro do Comité Executivo, a direcção pediu aos seus funcionários que elaborassem propostas para a criação de uma nova organização que represente os milhares de estudantes trabalhistas que nos últimos anos viraram costas à ala estudantil.

“É uma vitória para a democracia se a ala podre dos Labour Students for finalmente reformada”, disse uma fonte do Momentum ao Guardian, sublinhando: “Há 30 mil estudantes no Partido Trabalhista e apenas 507 participaram na última eleição da organização. Isto fez com que muitos núcleos se tenham desfiliado”. Foi o caso, por exemplo, dos núcleos das Universidade de Bristol e de Oxford, que não foram autorizadas a votar nas eleições para a liderança da organização, em Maio.

Os Labour Students despertam sentimentos contraditórios nas fileiras do Partido Trabalhista. Muitos não esquecem que foram fundamentais no trabalho de campo do partido nas eleições legislativas de 2017. Outros, mais críticos, associam-nos à ala mais moderada do partido, afecta ao antigo primeiro-ministro Tony Blair, e acusam-nos de ser uma estrutura usada para subir nas suas fileiras.

A organização é também uma ferramenta de formação política e de recrutamento, independentemente de qual das alas a controle. “A facção mais à esquerda, e os seus rivais moderados, compreendem que quem controlar a educação política e a socialização dos jovens no partido terá uma influência desproporcional”, escreveu Luke Akehurst, ex-dirigente da organização, na revista Spectator, argumentando que o Momentum acredita que eliminar a organização terá um efeito disruptivo na renovação da liderança dos moderados trabalhistas.

De qualquer das formas, a decisão da direcção de Corbyn de eliminar o que existe e criar de novo, está a ser entendida, dentro e fora do partido, como uma estratégia para dificultar a margem de manobra da ala moderada, em vésperas de legislativas. “Esta última jogada pode ser debatida em termos de democracia e legitimidade mas, na verdade, é a esquerda a consolidar o controlo sobre as alavancas do poder”, defendeu a jornalista Emma Burnell numa coluna de opinião do Independent. E alertou: “Uma facção do partido a afastar outra não nos dá garantias de que o que vier depois seja mais democrático”.