Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Zoo checo vai retirar chifres aos rinocerontes após ataque em França

Com o chifre de rinoceronte a valer mais do que o ouro ou a cocaína no mercado negro, um jardim zoológico toma medidas drásticas para proteger os animais.

O ataque ao rinoceronte Vince, em França, foi o primeiro incidente do género a ocorrer na Europa, levando o zoo checo a tomar medidas. LUSA/DOMAINE DE THOIRY HANDOUT

O jardim zoológico de Dvur Králové nad Labem, na República Checa, anunciou na terça-feira que vai retirar os chifres da sua manada de rinocerontes, no seguimento do ataque a um animal no zoo francês de Thoiry. De acordo com a instituição, o objectivo é impedir que os animais sejam os próximos alvos de caçadores furtivos em busca de chifres.

“É pela segurança dos rinocerontes”, disse à AFP Andrea Jirousova, porta-voz do zoo. “O ataque [em França] pôs-nos em alerta, o perigo é demasiado grande”, acrescentou.

Jirousova revelou que os rinocerontes serão anestesiados antes da remoção dos chifres com uma motosserra, mas não divulgou a data da cirurgia. A porta-voz admitiu ainda que esta é a primeira vez que o procedimento se vai realizar devido ao risco de caça ilegal. “Nós nunca fizemos isto por causa de caçadores furtivos. Fizemo-lo por motivos de saúde ou de transporte”, disse.

Actualmente o zoo conta com uma manada de 21 rinocerontes-negros e rinocerontes-brancos, incluindo três crias que não vão submetidas à cirurgia de remoção.

O zoo checo dedica-se à preservação de fauna africana e é um dos principais agentes mundiais na luta contra a extinção dos rinocerontes. A instituição de Dvur Králové nad Labem tornou-se conhecido internacionalmente pelo seu trabalho com os rinocerontes-branco do norte, uma subespécie extremamente ameaçada. Depois de se tornarem no primeiro e único zoo, até ao momento, a conseguir a reprodução de rinocerontes-brancos do norte em cativeiro, trabalham agora no desenvolvimento de fertilização in vitro da subespécie, que conta com apenas três exemplares vivos.

A venda de chifres de rinoceronte no mercado negro é a principal causa da drástica redução do número de rinocerontes no meio selvagem. Cada chifre pode valer cerca de 56.400 euros por quilograma, mais do que ouro ou cocaína, segundo a AFP. A procura deste produto é mais alta na China e no Vietname, onde os chifres são considerados afrodisíacos e utilizados na medicina tradicional.

Na manhã do dia 8 de Março, o flagelo da caça ilegal de rinocerontes atingiu um patamar sem precedentes quando um rinoceronte de quatro anos foi encontrado morto num jardim zoológico francês. O jornal britânico The Guardian avançou na altura que o animal, chamado Vince, foi encontrado morto com um tiro na cabeça e sem um dos chifres.