Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Brasil investiga dinheiro desviado da Sonangol para resort de luxo

Dinheiro desviado da Sonangol foi investido no resort Mussulo e no edifício Solar Tambaú por Castro Paiva, próximo de José Eduardo dos Santos e de Isabel dos Santos. E amigo do ex-vice-presidente angolano, Manuel Vicente.

Uma imagem de um dos edifícios do Mussulo Beach Club, na praia de Tabatinga, no litoral sul da Paraíba DR

A Polícia Federal (PF) do Brasil acredita que pelo menos 90 milhões de reais (19,5 milhões de euros) desviados da Sonangol foram investidos por José Carlos de Castro Paiva, homem de confiança do antigo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, e da filha Isabel dos Santos, na construção de dois empreendimentos de luxo no estado brasileiro da Paraíba.

De acordo com a Agência Pública, que teve acesso ao inquérito da PF, Castro Paiva, que durante 25 anos foi director-geral da Sonangol no Reino Unido (até 2012, quando passou a administrador não executivo da companhia petrolífera angolana), não se poupou a meios para a construção do edifício Solar Tambaú (de cinco andares), na praia de Tambaú, na cidade de João Pessoa, zona nobre da capital paraibana, e no Mussulo Beach Club, um resort de luxo, no litoral sul da cidade (com 100 bungalows).

A PF andou a investigar Castro Paiva e o rasto do dinheiro desde a inauguração do Mussulo, que terá custado 20 milhões de reais (4,3 milhões de euros) em 2009, no entanto, só em 2017, aquando da inauguração do Solar Tambaú (investimento de 70 milhões de reais, ou seja, 15,2 milhões de euros) é que, finalmente, começou a perceber de onde vinha o investimento, chegado por transferências de contas bancárias em paraísos fiscais.

Nesse ano, munidos de um mandado de busca e apreensão, os agentes da polícia surpreenderam Castro Paiva no quarto de hotel onde se hospedava, que lhes entregou o telemóvel, com as muitas conversas de WhatsApp que ajudaram a compor a história e a descobrir as suas relações próximas com o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, com altas figuras do Banco Angolano de Investimento (BAI), e com o português João Carlos Guerra Alves Pina Ferreira. O BAI é o primeiro banco privado angolano, detido pela Sonangol e por várias altas figuras ligadas ao anterior Governo angolano. Manuel Vicente foi presidente do conselho de administração da companhia petrolífera de 1999 até 2012.

Pina Ferreira, empreiteiro residente na Paraíba, onde é proprietário da GBF Empreendimentos Imobiliários, surge como sócio maioritário na Mussulo Ltda., para onde Castro Paiva enviou o dinheiro. O empresário português é também dono da JCP Construções e Incorporações, que tem Castro Paiva no conselho de administração.

As conversas de WhatsApp também mostraram as relações próximas entre Castro Paiva com Theodore Gilleti, operador financeiro investigado pelo Senado dos Estados Unidos e que surge entre os sócios do BAI, com 5% do capital (de acordo com a investigação do Senado dos EUA, Castro Paiva detinha 18,5% do BAI através de várias offshores) “de modo a não atrair atracção indesejada”. Gilleti operava nos EUA através do Standard Chartered Bank (de que a Ensa, empresa de seguros estatal angolana, detém 40%) condenado pela justiça dos EUA a pagar uma multa de 227 milhões de dólares por transacções financeiras ilegais.

Também envolvido está outra figura obscura do capitalismo financeiro internacional, Leonard Cathan, segundo as autoridades brasileiras, especialista em transacções financeiras para ocultação de património, que em 2017, junto com Castro Paiva, viu os seus documentos apreendidos pela polícia brasileira. A Mussulo Ltda. recebeu, em 2017, uma transferência de quatro milhões de dólares de uma outra sociedade anónima Mussulo, sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, através da Geneva Wealth Capital Management, de Cathan. A Geneva é apenas uma das várias empresas offshore de Cathan, onde se inclui o Investec Bank, registado na Maurícia, também usado por Isabel dos Santos. Segundo investigação do jornalista e activista político Rafael Marques, verbas que eram desviadas através da Sonangol no Reino Unido iam para o Investec Bank.