Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Israel critica actuação de Madonna na Eurovisão

Miri Regev não assistiu à final do concurso televisivo, mas não deixou de criticar a estação nacional por não ter ocultado adereços da actuação da “rainha da pop”.

Madonna na final da Eurovisão, em Telavive, Israel EPA/ORIT PNINI /ISRAELI BROADCASTING UNION / HANDOUT

A ministra da Cultura israelita, Miri Regev, classificou este domingo como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a actuação de Madonna na final do Festival Eurovisão da Canção.

“Foi um erro, não podemos misturar a política com um evento cultural, com todo o respeito que devo a Madonna”, disse Regev antes do conselho de ministros semanal.

Questionada pelos jornalistas, a ministra, que não assistiu à final do festival no sábado à noite, em Telavive, criticou o organismo de difusão israelita Kan por ter falhado a missão de impedir as bandeiras de aparecerem no ecrã.

A cantora norte-americana Madonna levou o conflito israelo-palestiniano para o palco da final do 64.º Festival Eurovisão da Canção, terminando a actuação com a expressão “Wake Up” (Acordem, em português) projectada em ecrãs.

Madonna subiu ao palco da final do concurso depois da actuação dos 26 concorrentes.

A cantora tinha recebido vários apelos para boicotar o concurso, mas acabou por aproveitar a actuação para tomar uma posição, terminando-a com dois bailarinos que usavam bandeiras de Israel e da Palestina nas costas a caminharem abraçados.

A “rainha da pop” pediu a todos os que a ouviam que “nunca subestimem o poder da música para juntar as pessoas”, e citou “uma grande canção”, da sua autoria, “Music”, na qual canta “music makes the people come together” [a música faz as pessoas unirem-se, em português].

No momento do anúncio dos resultados, membros do grupo islandês Hatari, conhecido pela sua oposição declarada à ocupação israelita dos territórios palestinianos, exibiram tarjas com as cores palestinianas, provocando assobios do público.

A Kan, uma difusora israelita, produziu o concurso da Eurovisão juntamente com a União Europeia de Radiotelevisão (UER).

A Holanda venceu no sábado, pela quinta vez, o Festival Eurovisão da Canção, com o tema “Arcade”, interpretado por Duncan Laurence, que era o favorito à vitória de acordo com a média de várias casas de apostas.

Israel acolheu o Festival Eurovisão da Canção, depois de o ter vencido, pela quarta vez, no ano passado, em Lisboa, com o tema “Toy”, interpretado por Netta. O movimento de boicote cultural a Israel instou os artistas a boicotarem o concurso.