Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Exposições 2020

Arthur Jafa: louvando a beleza de uma cultura violentada

Traz a sua obra ao Museu de Serralves. Para lembrar e celebrar connosco a história e a cultura afro-americana.

É da história da cultura negra dos Estados Unidos que Arthur Jafa concebe e constrói as suas imagens e narrativas José Caldeira

Na vida cultural portuguesa, será um dos acontecimentos de 2020: Arthur Jafa (Tupelo, Mississipi, 1960) no Museu de Serralves. Depois ter marcado presença no Fórum Futuro, no Porto, o vencedor do Leão de Ouro na Bienal de Veneza de 2019 vem mostrar, em Fevereiro, a sua obra. Uma brevíssima apresentação: trabalhou com Stanley Kubrick (De Olhos Bem Fechados), Spike Lee, Beyoncé, Solange, Kanye West. É um artista visual, um fotógrafo, um activista, um cineasta. E é um homem afro-americano. Esta sequência abre pistas para o significado da exposição Uma Série de Interpretações Absolutamente Improváveis, Ainda Assim Extraordinárias e para o extenso e intenso programa paralelo. Sim, é da história da cultura negra dos Estados Unidos que Arthur Jafa concebe e constrói as suas imagens e narrativas. Interpelando-nos sobre o processo de desumanização e exclusão que ainda persiste sobre os afro-americanos no seu país. E, ao mesmo tempo, engrandecendo a beleza e o poder da cultura negra, dos seus intérpretes e produções.

Dor e celebração, revolta e música são dicotomias que o artista explora e sublima nos seus filmes com generosidade e humor, sem condescendência. Por detrás das imagens de convívio colectivo, dos corpos que se entregam à música e à dança, há um rumor intenso que se torna voz. Para perguntar ao mundo: porque persiste uma violência maligna sobre os homens e mulheres cuja pele é negra. Porquê? É precisamente no lugar em que essa cultura é violentada que Artur Jafa se posiciona para fazer vídeos comoventes e desconfortáveis, recorrendo a imagens de arquivo, à internet e à televisão. Mencionem-se alguns títulos: The White Album (2019) Dreams Are Colder Than Death (2012), Love Is The Message, The Message Is Death (2016) — este último, refira-se, será exibido na Casa do Cinema.

A exposição, numa co-produção com a Serpentine Gallery, acolherá objectos, trabalhos em vídeo e fotografia e contará, igualmente, com obras de duas artistas afro-americanas, Ming Smith e Missylanyus, e da artista norueguesa de origem nigeriana Frida Orupabo. O programa inclui ainda um ciclo completo de filmes do artista intitulado Black Visual Intonation (também na Casa do Cinema Manoel de Oliveira) que permitirá aos espectadores conhecer o cinema (e as ideias que o fundamentam) e o universo musical de Arthur Jafa, um melómano crítico e sensível aos cruzamentos que criaram a música popular do seu país. 

<--The partial view '~/Views/Caixas//Highlights/CaixaNOTICIA_CONT_TEXTO.cshtml' was not found or no view engine supports the searched locations. The following locations were searched: ~/Views/Caixas//Highlights/CaixaNOTICIA_CONT_TEXTO.cshtml at System.Web.Mvc.HtmlHelper.FindPartialView(ViewContext viewContext, String partialViewName, ViewEngineCollection viewEngineCollection) at System.Web.Mvc.HtmlHelper.RenderPartialInternal(String partialViewName, ViewDataDictionary viewData, Object model, TextWriter writer, ViewEngineCollection viewEngineCollection) at System.Web.Mvc.Html.PartialExtensions.Partial(HtmlHelper htmlHelper, String partialViewName, Object model, ViewDataDictionary viewData) at ASP._Page_Views_Caixas_CaixaNOTICIA_DETALHE_cshtml.Execute() in d:\Products\PUBLICO\web\wwwPublicoUOL\Views\Caixas\CaixaNOTICIA_DETALHE.cshtml:line 295-->