Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

É uma casa, não tem cola nem pregos e mora no Jardim da Estrela

O projecto “Urban Greening” da Timberland está a chegar às principais capitais europeias, em Lisboa, nasceu uma casa num canto abandonado de um jardim nobre da cidade.

DR

É uma casa de madeira que não tem pregos, parafusos, cola ou tinta. Foi feita de madeira recuperada nos incêndios. Nasceu da forma mais natural possível pela mão da Cabana Studio – uma marca sustentável que, até agora, se dedicava ao mobiliário feito de madeira reciclada. A casa foi uma encomenda da norte-americana Timberland e foi oferecida à autarquia de Lisboa. Está, há uma semana, num recanto do Jardim da Estrela onde foram ainda plantadas heras. Aquele é um espaço não só para as crianças brincarem, mas também para pequenos espectáculos e outras iniciativas, como encontros, conferências ou workshops.

O projecto “Urban Greening” traduz a vontade da Timberland de não ficar de fora da vaga da defesa do ambiente e da sustentabilidade. Susana Silva, representante da marca em Portugal, reclama que há muito que a norte-americana o faz – com colecções onde são usados materiais reciclados –, mas “nunca fez bandeira disso”. Faltava mostrá-lo, sobretudo junto das comunidades, e este é um projecto internacional que chega não só aos estados norte-americanos, mas também à Europa, Médio Oriente e África, acrescenta.

Por exemplo, em Milão, a marca juntou-se ao BASE Milano para transformar um pátio industrial numa horta urbana; em Londres serão renovadas áreas urbanas no sul da cidade; em Amesterdão a marca pretende assumir o Mediamatic, um instituto cultural para a realização de palestras e workshops sobre ecologia urbana; em França vai aliar-se à organização Toits Vivants para promover um projecto comunitário de agricultura urbana.

DR

E, por cá, foi construída a casa, para a qual foram precisas 600 horas de trabalho e uma equipa de três pessoas. Uma das possibilidades para fazer a montagem era usar uma grua, mas a hipótese de destruir as árvores em volta levou a que a empresa recuasse, aponta a marca. Susana Silva não avança com o custo deste projecto, justificando que a Timberland faz o investimento por região, neste caso é a europeia, e não por cidade. Esta é uma campanha que vai decorrer nos próximos três anos, acrescenta.

A escolha recaiu sobre um jardim que fica numa zona nobre da cidade mas cujo espaço estava muito degradado, aponta a representante da marca. Depois do acordo com a Câmara Municipal de Lisboa, a casa foi construída e o espaço em volta foi replantado pelos convidados da marca durante o momento da inauguração da casa. Agora, caberá à autarquia a manutenção do espaço.

O objectivo desta iniciativa é sensibilizar as pessoas e pô-las em acção. “Plantar árvores, recolher lixo... tornar o cidadão comum uma parte integrante deste movimento”, defende Susana Silva. O movimento chama-se #natureneedsheroes e quer “tornar o nosso futuro mais verde” com a ajuda dos “heróis comuns”.