Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

O tabaco em Portugal

EVA CARASOL

Fumar foi a primeira causa de morte em Portugal em 2013, entre os factores de risco comportamental, segundo o relatório Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números – 2015, publicado em Fevereiro de 2016 pelo Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo. O tabaco matou 12.350 pessoas em 2013 (devido a várias doenças, desde cancro e doenças respiratórias crónicas e infecções respiratórias até a doenças cardiovasculares), o que representou 11% de todos os óbitos no país. E o grupo etário mais atingido pelo tabaco foi o dos 50 aos 59 anos (cerca de 24% da mortes atribuem-se ao tabaco).

O cancro causado pelo tabaco foi um factor de peso: ao todo, houve 5460 mortes (89% nos homens). O cancro da traqueia, dos brônquios e dos pulmões foi o que causou mais óbitos, contabilizando-se cerca de 3317. Também a exposição ao fumo ambiental foi responsável pela morte de 28 pessoas.

Em 2014, havia cerca de 1,78 milhões de fumadores em Portugal com 15 ou mais anos, sendo 1,5 milhões fumadores diários, de acordo com as estatísticas do Inquérito Nacional de Saúde. Havia também muitos mais homens a fumar do que mulheres: eles eram 1,16, enquanto elas eram 600 mil. E quanto aos ex-fumadores, em 2014 eles já eram mais do que os fumadores, perfazendo então 1,92 milhões – o que equivalia a 31,8% dos homens com 15 ou mais anos residentes no país (cerca de 1,32 milhões) e a 12,9% das mulheres (608 mil).