Todos os artigos são redigidos segundo o português escrito em Portugal e não adoptam o novo Acordo Ortográfico.

Filha do ex-Presidente diz que conseguiu “reequilibrar as contas” e “acabar com práticas nefastas do passado”. Jornal de Angola cita relatório e fala de “quase paralisia da indústria petrolífera” devido à Sonangol.